‘Doutor harpia’ cria aves silvestres para a reintrodução na natureza

Criador construiu harpiódromo de três andares com 21 harpias. Roberto Azeredo faz reprodução das aves dispensando uso de chocadeiras.

Do Globo Natureza com informações do Globo Rural

O criatório de Roberto Azeredo, devidamente regularizado pelo Ibama, fica no final da estradinha de terra, no município de Contagem, na Grande Belo Horizonte, em Minas Gerais. Ele cria espécies nativas em risco de extinção para a reintrodução em locais de onde desapareceram.

O criador construiu um harpiódromo de três andares com 21 harpias, a maior das aves de rapina. No primeiro andar ficam as aves solteiras, que ainda não reproduziram; no andar intermediário foram colocadas as aves em recuperação; e no andar superior estão os casais. A fêmea é um pouco maior em relação ao macho. Embora não seja biólogo, Roberto Azeredo é cuidadoso e bom observador.

“A harpia tem um sistema de camuflagem interessante, com o peito branco e as costas negras. Se tem as costas para o céu, ela sempre está de frente porque o branco se camufla com o branco do céu. Se está dentro da mata de costas para a floresta, ela mostra a parte escura”, explica Azeredo.

A harpia usa a boa visão e a capacidade de olhar para trás sem mover o corpo para caçar. A garra, principal arma da ave, serve para a ave prender a carne enquanto tira pedaços pequenos do alimento.

Azeredo com as harpias de sua criação (Foto: TV Globo)

Roberto Azeredo foi o primeiro no Brasil a criar harpias em cativeiro com as próprias aves chocando os ovos, dispensando a utilização de chocadeiras. “O período de encubação foi de 54 dias no criatório. A ave nasce pesando uma média de cem gramas e com uma visão muito apurada”, explica.

O criador diz que recebeu há alguns anos uma harpia repatriada da Alemanha. O animal foi trazido de volta ao Brasil porque estava doente e poderia morrer. Assim que chegou ao criatório, Azeredo notou que havia em torno do bico na altura do nariz da ave uma grande quantidade de abelhas. Algumas delas entravam nas narinas. Ao mesmo tempo, ele observou que a harpia passou a respirar cada vez melhor até sarar e que as abelhas retiravam das narinas da ave o material para usar no ninho.

Azeredo com as harpias de sua criação (Foto: TV Globo)

Após identificar as abelhas, Azeredo ajeitou uma caixa para abrigar um enxame perto da ave. Agora, essa relação está até mais facilitada. O inseto faz a limpeza das vias aéreas da harpia e em troca leva o material de que precisa. Tudo parece indicar que harpia estava com falta de ar na Alemanha por ausência das abelhas.

Outra simbiose foi notada no momento de reprodução das harpias. O criador descobriu uma casa de formigas carnívoras dentro do ninho. São formigas vorazes que atacam em grupo. Ele temeu que elas atacassem o filhote ou roubassem a carne trazida pelos pais.

“Eu não tirei as formigas. Então, quando os pais levavam a carne para o ninho, percebi que as formigas não atacam a carne do ninho. Elas esperam os pais jogarem o resto da carne no chão para comer o que está no chão”, diz Azeredo.

As formigas usam um ninho como abrigo e fazem a limpeza do entorno. Com o criatório sem fins materiais, Roberto Azeredo, que criou e devolveu para a natureza cerca de 600 aves nativas em vários estados, prevê fazer no próximo ano a primeira soltura da harpia.

Anúncios

Green School – Making a Different

Example for Humanity in Bali, Indonesia

Empowering global citizens and green innovators who are inspired to take responsibility for the sustainability of the world

see more: www.greenschool.org

by Óscar Kemps

 

Brasil na Rio+20

brasil rio + 20Desde a Rio-92, o tema do desenvolvimento sustentável ocupa lugar central na política externa brasileira. A proposta do país de sediar a Rio+20 se enquadra nessa prioridade, ao criar oportunidade para que todos os países das Nações Unidas se reúnam, mais uma vez no Rio de Janeiro, para discutir os rumos do desenvolvimento sustentável para os próximos vinte anos.
Na qualidade de Presidente da Conferência, o Brasil será responsável pela coordenação das discussões e trabalhará para a formação de consensos e adoção de decisões concretas que visem ao objetivo do desenvolvimento sustentável.
Como país-membro das Nações Unidas, o Brasil apresentou ao Secretariado da Conferência suacontribuição nacional ao documento-base que dará início ao processo negociador dos documentos da Rio+20.
É especial o significado de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável no Rio de Janeiro. Como sede da Cúpula da Terra, que consolidou o conceito de desenvolvimento sustentável em 1992, o Rio de Janeiro é o local ideal para realização da Rio+20, que apontará os caminhos futuros do desenvolvimento. O legado da Rio-92 – principalmente a Declaração do Rio, a Agenda 21, a Convenção Quadro sobre Mudança do Clima e a Convenção sobre Diversidade Biológica – estarão associados para sempre à lembrança da intensa participação da sociedade civil em debates da ONU, gerando o que se chamou de  “espírito do Rio”.
No plano interno, a Comissão Nacional para a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, criada pelo Decreto 7.495 de 7 de junho de 2011, tem a atribuição de articular os eixos da participação do Brasil na Conferência. É co-presidida pelo Ministro das Relações Exteriores, Antonio de Aguiar Patriota, e pela Ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.
Fazem parte da Comissão outros 28 Ministérios e órgãos da Administração Federal associados aos temas do desenvolvimento sustentável, bem como representantes do Governo do Estado e da Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro, do Congresso Nacional e do Poder Judiciário. A Comissão Nacional conta ainda com uma Secretaria-Executiva, presidida pelo Ministério das Relações Exteriores e integrada pelo Ministério da Fazenda; o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; e o Ministério do Meio Ambiente, responsáveis, respectivamente, pelos pilares econômico, social e ambiental na Secretaria-Executiva.
A sociedade civil é parte integral da Comissão Nacional, contando com cerca de quarenta membros, representantes de diversos setores sociais, selecionados em processo transparente e inclusivo. Fazem parte da Comissão representantes de órgãos estaduais e municipais do meio ambiente, da comunidade acadêmica, de povos indígenas, povos e comunidades tradicionais, setores empresariais, trabalhadores, jovens, organizações não-governamentais e movimentos sociais. O processo de escolha dos integrantes da Comissão Nacional foi guiado pela Portaria Interministerial 217, de 17 de junho de 2011.
Para tratar da organização logística da Conferência, foi criado, também pelo Decreto 7.495, o “Comitê Nacional de Organização” (CNO), que tem como atribuições o planejamento e a execução das medidas necessárias à realização da Conferência Rio+20, inclusive a gestão dos recursos e contratos relativos aos eventos oficiais realizados no contexto da Organização das Nações Unidas. Também faz parte de suas competências a execução das atividades referentes à administração de material, obras, transportes, patrimônio, recursos humanos, orçamentários e financeiros, à comunicação, ao protocolo, à segurança e à conservação dos imóveis e do mobiliário utilizados na organização e na realização da Rio+20.

Fonte: http://www.rio20.gov.br  – Imagem: Riotur

Biologia 12º – Sustenbilidade / Freiburg (cidade ecológica)

Sustentabilidade já!

Entenda porquê:

Na Amazônia, 8.600 áreas do tamanho do Maracanã são desmatadas todos os dias.

São 154.000 árvores por hora.

Calcula-se que em 2050, 45% da população não contará com a porção mínima individual de água.

O derretimento das geleiras acontece 3 x mais rápido que na década de 80.

veja o vídeo, divulgue e comente.

Turismo Sustentável

Hoje em dia vivemos em meio às poluições, utilizamos os recursos naturais para atender nossas necessidades e na maioria das vezes nem nos damos conta de que o estamos fazendo. Só nos lembramos que tudo parte da natureza quando paramos para ouvir os noticiários que imploram à população que cuide do meio ambiente e desses recursos para que não se esgotem. Ou quando se ouve falar em sustentabilidade, que é um assunto bem comum hoje em dia.

turismo

Uma atividade que utiliza muito recurso natural é o turismo, que faz da natureza pontos turísticos e exige construções de infra- estruturas para receber os visitantes, porém, tem havido uma série de propostas para amenizar esses impactos, de maneira a conciliar preservação da natureza com a expansão do turismo.

E é estudando essas propostas que muitas pessoas confundem ecoturismo com turismo sustentável.

O Turismo Sustentável é uma maneira de manter essa infraestrutura sem atitudes ofensivas ao meio ambiente, atendendo às necessidades dos turistas e dos locais que os recebem de maneira simultânea, fazendo o necessário para atender a economia, a sociedade e o ambiente sem desprezar a cultura regional, a diversidade biológica e os sistemas ecológicos que coordenam a vida.

turismo em bonito

Não é fácil estruturar um projeto de turismo sustentável, e muito menos colocá-lo em prática, pois exige atitudes ambientalistas, regras de utilização dos recursos naturais, e um pensamento ecológico, o que se contrapõe ao encontrado hoje na maioria dos lugares.

Já o Ecoturismo, é a exploração de ecossistemas em seu estado natural, sua vida selvagem e sua população nativa, o que de certa maneira preserva esses ecossistemas constantemente visitados, mas não é estruturado para preservar o meio ambiente, mas sim para fins lucrativos.

Em 2003 o Brasil começou a contar com o Plano Nacional do Turismo (PNT), que tem como base a ética e a sustentabilidade, e vem auxiliado o governo a tomar atitudes ecologicamente corretas.

Existem hoje no país outros projetos de turismo sustentável como o da Bacia Hidrográfica de Maquiné, que visa à exploração do rio sem causar danos ao meio ambiente, organizando as atividades turísticas já existentes na região e mobilizando a população com esse fim, o projeto de união do Rio de Janeiro e Minas Gerais na luta pelo turismo sustentável, o Projeto Pega Leve, voltado à convivência responsável com o meio ambiente e respeito a ele, entre tantos outros projetos encontrados pelo país afora.

O Brasil ainda está dando os primeiros passos para o turismo sustentável, havendo ainda aqui uma maior preocupação com o ecoturismo do que com primeiro, mas algumas cidades já o adotaram como, por exemplo, a cidade de Bonito, situada no Mato grosso do Sul, sendo um dos grandes destaques do turismo nacional, adotou uma política sustentável a partir dos anos 90, quando começou a ser mais visitado e sentiu a necessidade de colocar regras no turismo para que não destruísse seus bens naturais.

No exterior também encontramos cidades que já adotaram o turismo sustentável como Oeiras em Portugal, Rimini na Itália, Nuernberg na Alemanha, Gent na Bélgica, Cremôna e Réggio Calabria na Itália, Antalya na Turquia, Viareggio na Itália, Namur na Bélgica, Termoli na Itália e Salsomaggiore Terme também na Itália, todas componentes da Rede Europeia de Cidades para o Turismo Sustentável organizado no dia 8 de fevereiro de 2010 numa reunião em Bruxelas, a fim de proteger seus patrimônios naturais de um turismo mal estruturado.

turismo em Ceará

O turismo sustentável e mesmo o ecoturismo são maneiras de proteger a vida mantendo a economia ativa, uma forma de unir responsabilidade ao desenvolvimento, sendo mais um passo para o tão almejado desenvolvimento sustentável.

fonte teórica:http://www.atitudessustentaveis.com.br/sustentabilidade/turismo-sustentavel-o-que-e-turismo-sustentavel/

fotos: google.com

Publicidade: ENCONTRE IMÓVEIS DE ALUGUEL, NO ALUGUE10 – O PORTAL DE ALUGUÉIS:

www.alugue10.com

O que é Sustentabilidade e como aplicá-la em nosso dia-a-dia.

           Você com certeza já ouviu falar em Sustentabilidade. Mas você sabe o que realmente significa?

            Se você pesquisar o conceito de Sustentabilidade, encontrará definições que falarão sobre: “pensamento sistêmico”, “equilíbrio dos ecossistemas”, “Relatório Brundtland”, hã? Calma. Vamos entender isso de maneira mais prática?

           A idéia central da Sustentabilidade é que é possível continuarmos vivendo neste planeta com qualidade de vida e nos desenvolvendo de forma com que haja continuidade e equilíbrio em relação aos recursos naturais. Tudo o que se retira se apenas retiramos, uma hora vai acabar. Assim, devemos oferecer ao planeta tanto quanto retiramos dele. Por exemplo, se retirarmos de um terreno duas árvores para construir nossa casa, obrigatoriamente deveríamos plantar no mínimo duas árvores.

           Gosto muito do conceito definido pelo famoso “Relatório Brundtland”, publicado em 1987, que diz que Sustentabilidade é “suprir as necessidades da geração presente sem afetar a habilidade das gerações futuras de suprir as suas”. Esta é a idéia!

           Atualmente, sustentabilidade virou praticamente uma palavra da moda no mundo inteiro. Todos gostam de agregá-la aos seus discursos políticos e empresariais. Mas afinal de contas, como podemos ajudar?

           Pois limpar o oceano das manchas de óleo que os navios cargueiros despejam, ou diminuir o aquecimento global parece tarefas impossíveis, não é mesmo?

           Mas você pode ajudar de diversas formas. Vou listar abaixo algumas pequenas atividades que podem proporcionar melhorias para o planeta, lembrando que se cada um fizer um pouquinho que seja a coisa já vai começar a andar. Vamos a algumas dicas:

1.  Separar o lixo e encaminhá-lo para a reciclagem;

2.  Apagar as luzes na hora de dormir;

3.  Plantar no mínimo uma árvore por ano (elas são capazes de absorver toneladas de gás carbônico durante sua vida, purificando assim o nosso ar);

4. Evite o desperdício de água: embora pareça aquele conselho de nossas mães e avós, é vital para a continuidade da vida que evitemos o desperdício de água. Para isso, basta mudarmos pequenas atitudes do nosso dia a dia, como:

            4.1 Fechar a água enquanto está escovando os dentes;

            4.2 Manter a água fechada enquanto ensaboa a louça;

            4.3 Deixar fechada a água enquanto faz a barba;

            4.4 Conserte vazamentos e mantenha as torneiras bem fechadas;

5. Evite o desperdício de energia elétrica, pois daqui pra frente se não economizarmos energia será cada vez mais comum os desagradáveis “apagões”;

6. Informe-se sobre pequenas alternativas ambientalmente corretas para sua casa. Seja na construção ou na reforma, existem maneiras menos agressivas de lidar com a questão, dê preferência para produtos ecologicamente corretos;

7. Atenção Pais e Educadores: ensinem as crianças a terem amor em relação ao planeta. Elas são o futuro e é exatamente elas quem mais sofrerão as conseqüências da não preservação;

8. Ande mais de bicicleta, faz muito bem à saúde e também ao meio ambiente.

            O planeta precisa de nós, já o agredimos durante muito tempo. Agora é hora de ajudarmos ele para que o futuro das nossas crianças esteja garantido. E, acredite: é exatamente a força dessa conscientização e dessa união que poderá, um dia, “curar” nosso planeta.

 Por Oscar Campos Neto. Fundador da Pão & Ecologia e da Cia Ecológica.

A seguir fotos sobre  sustentabilidade:

Continuar lendo

Samso – Ilha da Dinamarca. Um exemplo em sustentabilidade

Habitada por 4.300 pessoas, a ilha de Samso, situada no Estreito de Kattegat, na Dinamarca, possui 100% de energia proveniente de fontes renováveis e ainda consegue excedentes energéticos que são repassados à rede pública e também são vendidos no mercado de carbono. De cada dez propriedades da ilha, sete usam o vento ou o sol para produzir energia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em entrevista ao Jornal Nacional, um fazendeiro local revelou que a sobra de energia gera um faturamento equivalente a R$ 1 milhão por ano, o triplo do que rende o gado. “Eu vendo mais eletricidade do que leite”, contou ele.

Para exportar a eletricidade para o continente, a ilha utiliza cabos submarinos, que antes levavam petróleo e gás para abastecer os habitantes do local. O lucro de R$ 80 milhões por ano é usado em obras sociais pela associação de moradores.

A península possui também 70% do sistema de aquecimento gerados por energia solar e feno, além de bicicletas como veículos prioritários e carros elétricos em sua maioria. A pegada ambiental em Samso é praticamente zero.

O resultado por utilizar energias renováveis é refletido na comunidade, que ostenta um dos melhores índices de qualidade de vida do mundo, segundo o Time Magazine.

Continuar lendo