Tijolos Ecológicos

 

Anúncios

Tijolo Ecológico ou Tijolo Modular de Solo-Cimento

TIJOLO ECOLÓGICO - TIPO COLUNA

TIJOLO ECOLÓGICO – TIPO COLUNA

O TIJOLO ECOLÓGICO é muito mais do que um simples tijolo que preenche a estrutura de uma parede.

Com suas características físicas ele proporciona economia, estabilidade estrutural, harmonia e beleza campal, fazendo com que sua casa se torne um local gostoso, relaxante e seguro.

Por eliminar o desperdício de material típico de uma obra comum, além de minimizar o tempo e custo de mão-de-obra, o método do tijolo modular permite a realização do sonho de construir a casa própria rapidez e menor custo.

TIJOLO ECOLÓGICO - TIPO CANALETA

TIJOLO ECOLÓGICO – TIPO CANALETA

Com 3 formatos diferentes: tijolo inteiro, meio tijolo e canaleta; a casa pode ser construída formando uma cadeia de vetores que se fortalecem, fixando as portas, janelas e paredes, permitindo a inserção da rede elétrica, hidráulica, tv a cabo, telefone e interfone dentro de seus furos, agilizando ainda mais a construção.

MEIO TIJOLO ECOLÓGICO

MEIO TIJOLO ECOLÓGICO

CARACTERÍSTICAS:

O tijolo ecológico é fabricado em prensa manual ou hidráulica, sofrendo pressão equivalente a 6 toneladas, que tornam sua forma regular, com faces lisas, permitindo um encaixe perfeito, facilitando o cálculo de unidades a ser empregada em cada parede e em toda a obra, sem haver necessidade de corte do tijolo.
Devido suas faces lisas e seu duplo encaixe, as paredes mantém um perfeito nivelamento e belo acabamento, oferecendo beleza estética a construção.
Sua arquitetura dispensa a utilização de pregos, arames, madeiras, além de evitar fortes na parede pronta para embutir a rede hidráulica, elétrica e outras.
Funciona com um sistema térmico e acústico, permitindo que o ar dentro dos furos ao ser aquecido pelo sol, sofra o deslocamento para cima, e ao esfriar retorne para baixo. diminuindo a umidade nas paredes.
Os encaixes foram desenvolvidos para ampliar a resistência da estrutura, além de facilitar a sua colocação e diminuir drasticamente o tempo de conclusão da obra.
Devido suas faces lisas e belas, não há necessidade de reboco e permite assentamento de azulejos e outros acabamentos, quando desejado.
O cimento é utilizado em pequena quantidade na construção com o tijolo modular, além das colunas e vigas serem realizadas facilmente utilizando os furos e as canaletas.
O Tijolo Ecológico Modular foi aprovado e regulamentado pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.
A construção com tijolo modular favorece uma obra limpa, com menor entulho e perda de material.

EcoCradle – Isopor feito de fungos e resíduos agrícolas

isopor ecologico

Jovens americanos desenvolveram um novo tipo de isopor que composto por raízes de fungos e resíduos agrícolas, este novo material pode ser moldado em qualquer forma, tem baixo custo de produção e pode ser reutilizado ou aplicado como fertilizante. O composto é feito com pequenas raízes de fungos chamados micélio e resíduos agrícolas como a casca de arroz, trigo ou sementes do algodão.

Essa nova descoberta vem para substituit o poliestireno, mais conhecido como isopor. O poliestireno é um material de difícil reciclagem e não é degradável. É derivado do petróleo uma fonte não renovável. Sua produção mundial chega a 35 milhões de toneladas anuais. Mais de 70% dessa carga é usada na construção civil.

Essa grande descoberta foi feita pelos jovens Eben Bayer e Gavin McIntyre, ambos graduados pelo instituto politécnico Rensselaer, em Nova York. A dupla já tem 100 mil unidades do “EcoCradle” encomendadas para 2010. Segundo eles eles empregam um material que não serve nem mais para a alimentação animal e é o que produzimos é um material alternativo ao poliestireno, que tem o mesmo desempenho físico, mas é degradável no meio ambiente, ou pode ser reciclado.

Bayer e McIntyre abriram sua empresa, a Ecovative, com pouco mais do que uma boa ideia. Agora, já patentearam o produto em 30 países e receberam apoio da Agência de Proteção Ambiental, do Departamento de Agricultura e da Fundação Nacional de Ciências dos Estados Unidos.

Além disso, receberam no ano passado 500 mil euros por terem vencido o “Desafio Verde” da loteria holandesa Postcode, um prêmio que estimula o desenvolvimento de produtos que diminuam as emissões de gás carbônico (CO2).

Vejam o vídeo sobre o EcoCradle

Vejam como ele é feito

Fonte: embalagemsustentavel.com.br

Uso de sacolas biodegradáveis é priorizado em BH.

Virou lei em Belo Horizonte. A partir de março, os supermercados, padarias e outros pontos de comércio só poderão utilizar sacolinhas biodegradáveis, feitas de amido de milho que se decompõem após 180 dias.

A lei entrou em vigor com o intuito de diminuir o uso excessivo de sacolas plásticas comuns, que somam 157 milhões em apenas um ano na cidade. A intenção é de reduzir esse número em 80% com a venda dos sacos biodegradáveis a R$0,19.

Os comerciantes estão proibidos de vender as sacolas plásticas comuns e as oxibiodegradáveis, sujeitos a multas de até mil reais.

“Sacola Plástica Nunca Mais”

Durante estes 45 dias iniciais, a prefeitura de Belo Horizonte (MG) vai começar um processo de conscientização da população e do comércio sobre a lei municipal. Como uma etapa de adaptação, a fiscalização não será feita de forma punitiva, mas através da campanha “Sacola Plástica Nunca Mais”.

Os locais de venda participantes da campanha vão comercializar as sacolinhas biodegradáveis por preço de custo, no valor de R$1,98. Além disso, a prefeitura deve incentivar outras alternativas sustentáveis no mercado, como o uso dos carrinhos e das caixas de papelão.

As informações são do Estadão.com e ecodesenvolvimento.org.br

Linda praça em Belo Horizonte

Vídeo sobre Tijolos Ecológicos – Globo News

Vídeo sobre a fabricação e aplicação dos Tijolos Ecológicos de Solo-cimento.

Cadeira feita com garrafas pet

Quando você recicla uma garrafa plástica, você está fazendo algo de bom, mas quando você recicla 111 delas, está fazendo algo sensacional. Esta foi a frase que inspirou a empresa americana Emeco, conhecida pelo design de seus móveis feitos a partir de alumínio reciclado, a construir a 111 Navy Chair, uma cadeira construída com garrafas PET recicladas.

O número que está no nome da cadeira não foi colocado a toa: Para a produção do produto foram utilizadas 111 garrafas PET recicladas e uma mistura de outros materiais como pigmentos e fibra de vidro para reforçar a estrutura. A empresa contou com a parceria da marca Coca-Cola, e se inspirou nas formas da Emeco Navy, criada em 1944 pela marinha americana.

Este slideshow necessita de JavaScript.

“O objetivo do projeto foi alterar o comportamento do consumidor, unindo o valor do PET com um design bonito resultando em um produto de uso diário, além de incentivar a reciclagem” disse o representante da Coca-Cola em seu site oficial.

A página oficial da 111 Navy Chair na internet acrescenta que a cadeira possui cinco anos de garantia estrutural e ainda vem em várias cores como vermelho, branco, verde entre outras. Produzida apenas nos Estados Unidos, a cadeira está na internert por US$230,00, metade do preço de uma cadeira de alumínio vendida pela empresa.

Empresa desenvolve linha de painéis solares flexíveis e portáteis

Tecnologia sustentável - Produtos Ecológicos

Painéis solares flexíveis - Energia solar móvel

A energia solar já mostrou que é uma alternativa eficiente e sustentável a outras formas de energia, especialmente aos combustíveis fósseis. Mas, apesar de suas vantagens, esse modelo de captação de eletricidade ainda tem problemas, como o alto custo e a necessidade de um espaço apropriado para a sua instalação. Para reverter o quadro, uma empresa lançou uma linha de painéis solares mais finos, leves e flexíveis, capazes de se adaptar a diversos tipos de construção.

Os painéis foram desenvolvidos pela Power Film Solar e podem ser integrados ao projeto arquitetônico da construção graças à tecnologia feita com placas solares flexíveis, duráveis e de baixo custo. Medindo cerca de 0,025 milímetros de espessura, esses painéis usam apenas 1% do silício utilizado em outros painéis e são livre de cádmio.

A companhia já utiliza essa tecnologia desde 2005 em aplicações militares e agora está investindo no uso desses materiais em outros produtos. De coberturas metálicas até barracas de lona, os fabricantes garantem que o painel pode ser aplicado em qualquer superfície. A energia gerada pelas placas solares é armazenada em baterias locais e convertida em correntes elétricas que poderão ser utilizadas diretamente na iluminação local ou em outras aplicações.

A tecnologia foi testada também em produtos menores e portáteis, como carregadores de baterias, celulares, computadores e outros gadgets. As células fotovoltaicas são aplicadas em espécies de tapetes capazes de gerar até 60 Watts de eletricidade e que podem ser enrolados e transportados para qualquer lugar.

Ao todo, são quatro linhas de produtos que incluem carregadores portáteis, geradores em larga escala, coberturas de construções e até produtos customizados. Os produtos estão disponíveis em diversos países, como Estados Unidos, Turquia, Reino Unido, Canadá, entre outros. Os produtores não informaram os preços nem realizam vendas para o Brasil, mas os interessados podem buscar mais informações no site da empresa ou pelo e-mail jstone@powerfilmsolar.com.

Painel solar flexível e portátil