Parque Municipal do Itiquira em Formosa – Goiás

Segue a dica para Turismo Ecológico e de Aventura no Estado de Goiás:

Salto do Itiquira 168 mts - Formosa - GO

Salto do Itiquira 168 mts – Formosa – GO

O Parque Municipal do Itiquira localizado no Município de Formosa- GO. São apenas 115 km de Brasília, conta com a maior queda livre acessível do País. São 168mts de altura, dando a esse magnífico lugar toda paz e tranqüilidade para quem deseja sair do stress do dia-a-dia. O Parque municipal do Itiquira oferece um passeio de fácil acesso e calçado, do estacionamento até a queda são aproximadamente 15 minutos, é um passeio para toda as idades.
Para quem procura mais aventura o Salto do Itiquira oferece trilhas para o acesso acima da cachoeira, com um cenário incrível.

SALTO DO ITIQUIRA

A mais alta queda livre acessível do país com 168 metros de altura, equivalente a um edifício de 56 andares. 
Área de preservação ambiental

Informativo para visitação

O Parque oferece:

• Estacionamento
• Acesso calçado até a cachoeira
• Bebedouros
• Banheiros
• Bancos
• Áreas para banho de rio
• Restaurante
• Sorveteria
• Lanchonete
• Lojinha de Souvenir

Normas de funcionamento:

Horários: 9hs às 17hs
Entrada somente até as 16hs

Não é permitido:

• Entrada com alimentos e bebidas(churrasco, pique -nic)
• Circulação de animais domésticos
• Som nos veículos
• Uso de instrumento musical

 

 

 

VISTA AÉREA DA CACHOEIRA DO ITIQUIRA EM FORMOSA NO ESTADO DE GOIÁS

VISTA AÉREA DA CACHOEIRA DO ITIQUIRA EM FORMOSA – GOIÁS

 

Três Razões para Não Comer Carne de Peixe

Vídeo – PETA: “The three best reasons not to eat sea animals.”
Veja o que o consumo de carne de peixe pode causar aos animais, à sua saúde e ao meio ambiente.

Angell Falls – As Maiores Quedas de Água do Mundo

A MAGIC SCENE – Angels Falls in South America, the biggest waterfall in the world
http://en.wikipedia.org/wiki/Angel_Falls

This is a cut from the “Planet Earth – ep 3 Fresh Water 720p HD DVD”

The Planet Earth documentary is created by BBC. It is considered the greatest nature documentary created till now.

As cataratas do Anjo ou Salto do Anjo, é uma tradução incorreta já que o nome Angel é pelo seu descubridor, Jimmy Angel; portanto, o nome correto, ainda em português deve ser Salto Angel. Dito salto, forma a maior cachoeira do mundo, com seus 979 metros de altura e uma queda sem interrupção de 807 metros. Localizam-se em um rio sem nome, afluente do Rio Caroni, no Parque nacional de Canaima, na Venezuela.
Embora vistas pela primeira vez no início do século XX pelo explorador Ernesto de Santa Cruz, as cataratas não eram conhecidas pelo mundo até sua descoberta oficial pelo aviador estado-unidense James Crawford Angel, durante um vôo à procura de ouro, em 1937. No entanto, os índios Pemons já as conheciam havia bastante tempo, e chamavam-nas Churun Meru.
A altura oficial foi determinada por uma pesquisa da National Geographic Society em 1949 (veja Jungle Journey to the Worlds Highest Waterfall por Ruth Robertson). O livro de David Mott, Angels Four, relata a primeira escalada bem-sucedida pela face do Auyan Tepui (A montanha do Mal) até o topo das cataratas. As cataratas são uma das principais atrações turísticas da Venezuela.

http://www.moo.pt/maravilhas/angels_falls/

Mágica com mensagem ecológica

Mágica muito inteligente com uma mensagem ecológica sobre a água o planeta.

Parabéns pelo trabalho Mágico Will !!!!

 

 

A escassez da água no sertão pernambucano e a sua utilização consciente

Água é vida. Sem ela nada cresce, nada desenvolve-se. O cotidiano relatado pelos membros de uma famíla no sertão do Pernambuco. As dificuldades sofridas pela escassez, o dia a dia para conseguir água e a luta das mulheres que carregam lata d’água na cabeça. Os perigos de contaminação e as doenças oriundas da má-qualidade da água. O tratamento caseiro que utiliza lírio na decantação. A cisterna, alternativa encontrada para armazenamento de água provida da chuva que supri as necessidades dos moradores nos períodos de seca. E ainda as recomendações e cuidados para com a cistena.

Qual a sua Pegada Hídrica?

water, água, pegada

Qual a sua Pegada Hídrica? / Foto: lveearth.org

Faça uma conta rápida e diga quantos litros de água você utiliza por dia? Não vale contar apenas os litros usados durante o banho, para lavar a louça ou regar o jardim. A água embutida na carne do almoço, no chocolate da sobremesa e no algodão da camisa, além da gasolina, o papel da impressora e o cafezinho no final da tarde também devem ser contabilizados. E agora, já sabe a quantidade de água que usa diariamente?

Para responder a essa pergunta foi criada a Pegada Hídrica, ou Water Footprint, como é chamada em inglês. Trata-se de um cálculo feito para levantar todo o consumo de água ao longo do ciclo de vida dos produtos e serviços de uma empresa, comunidade ou pessoa comum. A pegada contabiliza os usos diretos e indiretos e indica o real volume do recurso natural que foi gasto em cada etapa de sua cadeia produtiva.

Para chegar a um número exato, o uso de água é medido em termos de volume consumido (evaporado) e/ou poluído por unidade de tempo. O cálculo pode ser feito para um único produto em particular ou para um grupo bem definido de consumidores (como uma família, uma empresa, uma comunidade, ou uma nação) ou de produtores (como uma entidade pública, empresa privada ou setor econômico).

A Pegada Hídrica pode ser:

  • Verde: quando a água da chuva evapora ou é incorporada em um produto durante a sua produção;
  • Azul: que calcula as águas superficiais ou subterrâneas que evaporam ou são incorporadas em produtos, ou então devolvidas ao mar ou lançadas em outra bacia:
  • Cinza: que mede o volume de água necessário para diluir a poluição gerada durante o processo produtivo.

img02.jpg

Após contabilizar esses números é possível saber, por exemplo, que são necessários 120 litros de água para produzir uma taça de vinho, 1.500 litros para fazer 1 kg de açúcar refinado, 2.400 litros para cada 100 gramas de chocolate, 2.700 litros para uma simples camisa de algodão e 15.500 litros para que apenas 1 kg de carne bovina chegue à sua mesa.

A conta também permite chegar a médias de consumo de diversas nações. Enquanto moradores de países como o Iêmen tem uma Pegada Hídrica média de 619 m3 de água per capita por ano, os norte-americanos consomem 2.482 m3 no mesmo período. Os brasileiros consomem, em média, 1.381 m3 per capita por ano. A média global é de 1.243 m3.

Importância da informação

Para o professor Arjen Hoekstra, criador do conceito de Pegada Hídrica, disponibilizar essas informações é fundamental para a conservação dos recursos hídricos. Segundo o pesquisador, mesmo sendo obrigação dos governos gerir a água de forma eficiente, a população e as empresas também devem se envolver completamente.

Hoekstra defende que companhias precisam entender como utilizar os recursos hídricos da melhor forma e devolvê-los limpos para a natureza, e os consumidores devem se preocupar com a origem dos produtos que consomem e com os procedimentos adotados na produção.

“Precisamos desconstruir a percepção de que a água vem apenas da torneira e que simplesmente consertar um pequeno vazamento é o bastante para assumir uma atitude sustentável”, ressaltou à WWF-Brasil Albano Araujo, coordenador da Estratégia de Água Doce do Programa de Conservação da Mata Atlântica e das Savanas Centrais da The Nature Conservancy.

As organizações são algumas das 139 que já apoiaram oficialmente a pegada criada pela ONG Water Footprint (WFN) como norma mundial. Outras instituições internacionais, como Unilever, Unesco, WWF, Coca-Cola, PepsiCo, Nature, USP, Unep e Conservação Internacional também declararam apoio ao cálculo.

Para Hoekstra, a criação de normas globais e padrões é um ponto chave para comparar produtos e empresas. Os interessados podem medir sua Pegada Hídrica no site da WFN. O portal também disponibiliza para download o Manual Técnico de Pegada Hídrica, que contém as normas globais.

com informações da Ecodesenvolvimento.org

Enchentes e Tragédia no Nordeste – Façam suas doações

Em muitas cidades, as cheias inundaram as unidades de captação e distribuição de água. Também faltam alimentos e itens como colchões e cobertores. Por isso, o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil disponibilizam locais para doação e pedem, principalmente, mantimentos, roupas, produtos de limpeza e higiene pessoal e quantias em dinheiro. Veja onde os postos de arrecadação estão localizados e saiba como ajudar as vítimas das enchentes:

Alagoas

As doações podem ser feitas nos quartéis do bombeiros nos seguintes locais:

Capital

1º Grupamento de Bombeiros Militar (1º GBM) — Rodovia 316, Km 14, Tabuleiro dos Martins, próximo a Policia Rodoviária Federal,

(82) 3315-2900               (82) 3315-2900       / (82) 3315-2905               (82) 3315-2905

Grupamento de Socorros de Emergência (GSE) — Conjunto Senador Rui Palmeira, S/N,

(82) 3315-2400             (82) 3315-2400

Subgrupamento Independente Ambiental (SGIA) — Av. Dr. Antônio Gouveia, S/A, Pajuçara, próximo ao Iate Clube Pajuçara, (82) 3315-9852              (82) 3315-9852

Quartel do Comando Geral (QCG) — Av. Siqueira Campos, S/N, Trapiche da Barra, próximo a Pecuária,

(82) 3315-2830              (82) 3315-2830

Defesa Civil Estadual (CEDEC) – Rua Lanevere Machado n.º 80, Trapiche da Barra, próximo a Pecuária,

(82) 3315-2822               (82) 3315-2822     / (82) 3315-2843               (82) 3315-2843

Grupamento de Salvamento Aquático (GSA) — Av. Assis Chateaubriand, S/N, Pontal, próximo a Braskem, (82) 3315-2845              (82) 3315-2845

Interior

2º Grupamento de Bombeiros Militar — Maragogi,

(82) 3296-2026               (82) 3296-2026       / (82) 3296-2270              (82) 3296-2270

6º Grupamento de Bombeiros Militar — Penedo,

(82) 3551-7622               (82) 3551-7622    / (82) 3551-5358              (82) 3551-5358

7º Grupamento de Bombeiros Militar — Arapiraca e Palmeira dos Índios,

(82) 3522-2377             (82) 3522-2377     (82) 34212695               (82) 34212695

9° Grupamento de Bombeiros Militar — Santana do Ipanema e Delmiro Gouveia, (82) 3621-1491 / (82) 3621-1491       / (82) 3621-1223         (82) 3621-1223

Doadores de outros Estados

Para quem não está no Estado, mas também quer colaborar, as doações podem ser feitas em dinheiro nas seguintes contas:

Banco do Brasil agência 3557-2, conta corrente 5241-8

Caixa Econômica: agência 2735, operação 006, conta 955/6

Pernambuco

Mais de 50 cidades já foram atingidas pelas chuvas em Pernambuco, sendo que 30 decretaram estado de emergência. Há 12 mortos no Estado e passa de 40 mil o número de pessoas que precisaram deixar suas casas. Veja onde doar:

Gravatá

Para os moradores do município é possível doar em diversos pontos, tais como na Secretaria de Finanças, Saúde e Ação Social. Esta última está localizada na rua Francisco Bezerra de Carvalho, no centro. Mais informações pelo telefone (81) 3563 9057/ 9037.

Cabo de Santo Agostinho

Na cidade é possível fazer doações nos centros de referência em Assistência Social (Cras), de Ponte dos Carvalhos e do Cabo. Quem não puder ir até os locais, pode solicitar pelo telefone (81) 3521-6759/6718 à Secretaria Municipal de Programas Sociais e da Mulher para que uma equipe faça o recolhimento dos donativos.

Palmares

A cidade de Palmares é uma das mais atingidas pelas chuvas e, segundo a Defesa Civil, onde mais falta água e comida. A Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados (ACS-PE) instalou um posto de arrecadação na rua Amaro Bezerra nº 489, em Derby – Recife. Contato: (81) 3423.0604 ou 3423.9907

Barreiros

Um posto da Polícia Rodoviária Federal na entrada da cidade recebe doações, que também podem ser feitas por meio de depósito na seguinte conta:

Banco do Brasil
Agência 0710-2
Conta corrente 6070-4