Amazônia

A Amazônia está na crista da onda. Seu futuro tem sido discutido, nos últimos anos, de maneira intensa pela comunidade científica, mídia, políticos e sociedade em geral tanto no Brasil quanto no resto do mundo. Não é para menos. Afinal é a maior área contínua de floresta tropical do mundo e já foi considerada o pulmão do nosso planeta na luta contra o aquecimento global, teoria hoje descartada. No entanto, sua importância continua sendo grande. Estudos mostram que o desmatamento poderá alterar, por exemplo, a dinâmica das chuvas no planeta, além de uma série de outros problemas. Além disso, a região é um fonte de recursos que enche os olhos de vários empresários, desde os madeireiros até a indústria farmacêutica.

 

AMAZON

AMAZÔNIA - A MAIOR FLORESTA TROPICAL DO MUNDO

A maior floresta tropical do mundo

A Amazônia é a maior floresta tropical em área contínua da Terra. São cerca de 7 milhões de quilômetros quadrados divididos entre o Brasil, Venezuela, Suriname, Guiana, Guiana Francesa, Equador e Colômbia. Nela também está a maior bacia hidrográfica do mundo com o maior rio do planeta, o Amazonas. Ficam no Brasil cerca de 80% da floresta.

A maior parte do ecossistema amazônico fica em terra firme numa grande planície de 100 a 200 metros de altitude que segue até as montanhas onde inicia a Cordilheira dos Andes. Esta grande planície é fruto dos sedimentos deixados pelo lago Belterra, que existiu na região se formou a 1,8 milhão de anos atrás e desapareceu há 25 mil anos.

Na foz da bacia hidrográfica no litoral brasileiro, o solo e a vegetação estão praticamente no nível do mar e, em algumas áreas abaixo, o que faz com que o mar invada o leito do rio, provocando um fenômeno chamado pororoca. Igarapés, estreitos riachos que cortam a mata, e igapós, extensas áreas com água cobrindo a vegetação mais baixa, são comuns na região. Uma das mais interessantes atrações turísticas da região, o encontro das águas em Manaus mostra outra característica da região: de um lado as águas escuras e ácidas do rio Negro, do outro as barrentas do rio Solimões se unem para formar o Amazonas.

 

RIO NEGRO E SOLIMÕES

Encontro das águas - Rio Negro e Solimões

 



Como todas as floretas tropicais, a maior parte do seu solo é pobre em nutrientes, formando uma grande biomassa na base das árvores, essa sim rica em nutrientes. Suas árvores como as samuameiras, castanheiras, mogno ou jatobá podem chegar a alturas entre 30 e 50 metros de altura. As palmeiras também são comuns na região. O açaizeiro, de onde sai o açaí – fruto utilizado na alimentação diária de boa parte da população tradicional da região, é um dos mais comuns.

 

A dimensão da rica biodiversidade amazônica ainda é uma incógnita, havendo as mais diversas estimativas para o número de espécies vegetais e animais presentes na floresta. Alguns animais aquáticos bem conhecidos como o pirarucu, boto e peixe-boi estão ameaçados de extinção graças a exploração desenfreada. O mogno, árvore cuja madeira pela sua maleabilidade é muito procurada, também está ameaçada.

A pressão econômica e social do homem tem sido a maior razão para a devastação amazônica. O chamado arco do desmatamento, área fronteiriça da floresta que abrange Rondônia, norte do Mato Grosso, sul do Pará e oeste do Maranhão, empurra a destruição cada vez mais para dentro da mata.

Amazônia Legal e sua história

O espanhol Vicente Pizón chegou a primeira vez à foz do rio Amazonas em 1500, praticamente ao mesmo tempo que o português Pedro Álvares Cabral aportava na ilha de Vera Cruz (atualmente chamada de Porto Seguro). Segundo alguns historiadores, Pizón chegou primeiro à região que hoje seria o porto do Mucuripe, no Ceará, em janeiro (Cabral chegou em maio) e depois seguiu para o norte onde chegou a foz do rio Amazonas, batizado por ele de Mar Dulce (Mar Doce).

As outras expedições para a região amazônica, no entanto, só voltaram a acontecer, mais intensamente, praticamente 100 anos depois já no século 17. Em 1616, os jesuítas fundam a cidade de Belém. A congregação religiosa acabou sendo expulsa da região pelo Marquês de Pombal, em 1759, acusando-os de conspirar contra o Estado. Durante o período da “pré-história” da região, a economia se baseou na exploração de recursos naturais como madeira, drogas do sertão, pescado e extração de cacau.

Isolada das decisões da política brasileira, a região, durante o processo de consolidação da independência do Brasil, foi palco da mais popular revolta já ocorrida no País: a Cabanagem.

Depois da tensão pós-independência, o isolamento da Amazônia continuou por mais alguns anos. A região começou a chamar a atenção do Brasil e do mundo a partir da segunda metade do século 19, quando a demanda por borracha nos países industriais criou o principal ciclo econômico para a formação da região: o ciclo da borracha.

Extraída das seringueiras, a borracha foi responsável por uma riqueza nunca vista antes na região. Belém foi a primeira cidade brasileira a ter luz elétrica nas ruas. Os monumentais teatros da Paz (em Belém) e Amazonas (em Manaus) foram construídos nessa época, com matérias-primas como mármore trazidos em longas viagens da Europa. Aliás, as mulheres dos “barões da borracha” (muitos deles estrangeiros) mandavam lavar suas roupas em Paris.

A existência dessa elite econômica, no entanto, só foi possível graças a um sistema de exploração extremamente injusto. Enquanto companhias européias de balé e ópera aportavam em Belém e Manaus, milhares de nordestinos (principalmente cearenses) e índios eram levados para os rincões da Amazônia como os confins do Acre ou região do Tapajós para extrair a borracha. Submetidos ao regime de aviamento, os “soldados da borracha” eram proibidos de cultivar sua própria horta, pagavam pela moradia e pelos equipamentos da extração e, muitas vezes, eram enganados na pesagem do látex.

O ciclo da borracha teve fim por dois motivos na Amazônia. Originária do Brasil, a seringueira foi levada por ingleses para o sul da Ásia, onde teve uma excelente adaptação e um agressivo investimento. Ao mesmo tempo, a indústria automobilística (principal comprador da matéria-prima) ampliou as pesquisas para a criação do látex sintético.

Com fim do ciclo da borracha nas primeiras décadas do século 20, a região voltou ao isolamento econômico. Na tentativa de reverter a situação, foram adotadas algumas medidas.

Em 1953, no segundo mandato do presidente Getúlio Vargas, surgiu o termo Amazônia Legal. Naquele ano , Vargas assinou a lei 1806 que incorporou parte dos estados do Maranhão, Goiás (atualmente Tocantins) e Mato Grosso como parte da região.
Assim, hoje, a Amazônia Legal conta com nove estados: Amazonas, Amapá, Pará, Roraima, Rondônia, Acre e partes do Maranhão, Mato Grosso e Tocantins, representando 55% do território brasileiro. Sua definição é mais política que geográfica, já que alguns desses estados (principalmente os três últimos) não necessariamente fazem parte do bioma amazônico.

A partir da criação do termo, foi possível começar a criar planos de incentivos para a exploração econômica da região. Primeiro, foi criada a Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia (SPVEA), que priorizou a exploração de borracha e cacau. O órgão acabou sendo substituído em 1966, pela Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam). O órgão foi um dos principais financiadores dos chamados “grandes projetos” da região. O modelo incentivou a construção de grandes usinas hidrelétricas como Tucuruí, a implantação do pólo Carajás de exploração mineral, onde foi instalada a Companhia Vale do Rio Doce, além da eternamente inacabada rodovia Transamazônica. O governo militar também iniciou uma campanha de povoamento da região, com o slogan “Ocupar para não entregar”, incentivando a fixação de colonos em algumas regiões como o então território de Rondônia, ao longo da Transamazônica e da rodovia Belém-Brasília, o primeiro acesso via terrestre do território brasileiro para a cidade que era chamada de Portal da Amazônia. Aliás, a construção da Belém-Brasília fez a população da capital paraense triplicar em poucos anos.

A política dos militares revelou-se desastrosa em vários aspectos. O impacto ambiental da hidrelétrica de Tucuruí, por exemplo, provocou uma epidemia de malária ao redor, além de expulsar a fauna e flora nos 2.875 km². Isso porque apenas 10% da mata foram retirados e houve o remanejamento de apenas 1% da população animal que vivia no local. Quanto ao projeto de colonização das rodovias acabou deixando muita gente em situação de extrema pobreza, por causa da falta de apoio governamental mais efetivo.

A Sudam acabou sendo extinta em 2001 após uma série de denúncias de corrupção, beneficiamento político com um rombo de R$ 1,8 bilhão. O governo acabou criando a Agência de Desenvolvimento da Amazônia, ADA.

 

Por que Amazônia?

O nome Amazônia tem origem na viagem do navegador espanhol Francisco Orellana, que em 1541, à procura do El Dorado, teria lutado contra uma tribo de índias guerreiras. Os espanhóis, então, fizeram associação às amazonas, mulheres guerreiras presentes na mitologia greco-romana.

Conheça também a origem dos nomes dos Estados da região, além do Amazonas que já tem a origem comum com o nome da região:

Acre – há várias teorias para o nome do estado. Poderia vir da palavra tupi a’kir ü (rio verde) ou da forma a’kir (dormir, sossegar).

Amapá – derivação da palavra tupi ama’pa. É o nome de uma árvore e também de um lago existente na região.

Maranhão –  pode ser uma derivação das palavras tupis pa’ra (mar), na, ana (semelhante) e jhó (sair, ir correr). Significa semelhante a um mar que corre, forma como os indígenas chamavam o rio Maranhão.

Pará – derivação da palavra tupi pa’ra (mar).

Rondônia – homenagem ao marechal Cândido Rondon, importante desbravador da região no início do século 20.

Roraima – derivação das palavras da língua caribe rora (verde) e imã (monte), como os indígenas chamavam o monte Roraima.

Tocantins – derivação da palavra tupi tucan-tim (nariz de tucano). Nome de uma tribo indígena que batizou o rio e, posteriormente, o estado.

Mato Grosso – foi o nome dado pelos exploradores às minas encontradas em Cuiabá.

A Zona Franca de Manaus

Entre os grandes projetos de ocupação da região do governo militar, foi criada a Zona Franca de Manaus em 1967. Inicialmente, o projeto tinha duas vertentes criar um pólo industrial no Estado do Amazonas e lançar uma zona de comércio livre de impostos. Esta última etapa vigorou até a abertura do mercado no governo Collor de Mello, no início dos anos 90. Já o distrito industrial permaneceu e é essencial atualmente para a economia do Estado. São 486 empresas instaladas no Pólo Industrial de Manaus (PIM) que faturaram US$ 23 bilhões em 2006, emprega de forma direta cerca de 100 mil pessoas, possui média de nacionalização de 52%. Com a abertura da economia brasileira dos anos 1990, as empresas do Distrito Industrial de Manaus se modernizaram e se tornaram competitivas, conseguindo benchmarking em motocicletas, telefones celulares, produtos ópticos etc.

Sua existência e sobrevivência só foi possível graças a uma série de incentivos fiscais como isenção dos impostos de importação e redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Os críticos do sistema dizem que os incentivos e a localização criam uma economia extremamente artificial e eternamente dependente de incentivos fiscais, além dos problemas de logísticas inerentes a um sistema indústria que não conta com rodovias ou ferrovias, apenas barcos e aviões, em plena selva amazônica.

Os defensores dizem que, além de dar oportunidade econômica para um Estado pobre como o Amazonas, a zona franca de Manaus ajudou a evitar o desmatamento no Amazonas já que a população em geral tem outras opções de renda.



Por que Amazônia?

O nome Amazônia tem origem na viagem do navegador espanhol Francisco Orellana, que em 1541, à procura do El Dorado, teria lutado contra uma tribo de índias guerreiras. Os espanhóis, então, fizeram associação às amazonas, mulheres guerreira presentes na mitologia greco-romana.

Conheça também a origem dos nomes dos Estados da região, além do Amazonas que já tem a origem comum com o nome da região.

Acre – há várias teorias para o nome do estado. Poderia vir da palavra tupi a’kir ü (rio verde) ou da forma a’kir (dormir, sossegar).

Amapá – derivação da palavra tupi ama’pa. É o nome de uma árvore e também de um lago existente na região.

Maranhão –  pode ser uma derivação das palavras tupis pa’ra (mar), na, ana (semelhante) e jhó (sair, ir correr). Significa semelhante a um mar que corre, forma como os indígenas chamavam o rio Maranhão.

Pará – derivação da palavra tupi pa’ra (mar).

Rondônia – homenagem ao marechal Cândido Rondon, importante desbravador da região no início do século 20.

Roraima – derivação das palavras da língua caribe rora (verde) e imã (monte), como os indígenas chamavam o monte Roraima.

Tocantins – derivação da palavra tupi tucan-tim (nariz de tucano). Nome de uma tribo indígena que batizou o rio e, posteriormente, o estado.

Mato Grosso – foi o nome dado pelos exploradores às minas encontradas em Cuiabá.

Anúncios

Deixe o seu comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s