Prédios inteligentes e econômicos

Arquitetos e engenheiros pensam em soluções que façam do edifício uma ferramenta para redução de consumo de água e energia

Por  Marina Pita
Da Revista Sustenta

Arquitetos e engenheiros têm um desafio a mais antes de fazer seus projetos: pensar em soluções que façam do edifício uma ferramenta para redução de consumo de água e energia, produção de lixo e até emissão de dióxido de carbono.

Passar a imagem de “amiga do meio ambiente” já se transformou em algo comum nas empresas. Mesmo as que não têm programas de sustentabilidade tentam se mostrar ambientalmente corretas. Mas de que adianta colocar plantas ou reduzir a quantidade de papel gasto no escritório se o edifício em que ele está instalado contribui para o consumo desnecessário de recursos naturais? Por isso, qualquer tentativa de criar um ambiente de trabalho sustentável está diretamente ligada à edificação.


O conceito das construções vai muito além das iniciativas mais conhecidas, como a geração de energia por meio de placas fotovoltaicas, popularmente chamadas de placas solares, e a reutilização de água da chuva. A visão global do impacto ambiental de um empreendimento, e sua drástica redução, requer planejamento, racionalização de todos os processos, utilização de materiais específicos e soluções que considerem o ambiente em torno do prédio.

Prédios passaram a usar as chamadas placas solares para a produção de energia


Para Paola Figueiredo, geógrafa com certificação Leed (Leadership in Energy and Enviromental Design) e diretora do Grupo SustentaX, uma das mais importantes firmas de certificação no Brasil, o País ainda engatinha nesse setor. A quantidade de edifícios sustentáveis certificados seria de apenas uma centena. Mas, segundo ela, é preciso lembrar que a proliferação se deu apenas nos últimos três anos. “O valor absoluto é realmente muito pequeno, mas o crescimento é rápido e se deu em um curto período de tempo”. No mundo, existem cerca de duas mil “construções verdes”.

Com maior volume de obras, haverá mais conhecimento no meio técnico e incentivo aos fornecedores para intensificarem a produção de materiais e equipamentos para esse tipo de obra. Resultado dessa operação: redução de custos. Um exemplo de como a diferença pode ser pequena é o Ventura Corporate Towers, primeiro empreendimento com selo “green building” do Rio de Janeiro. De acordo com a incorporadora Tishman Speyer, responsável pelo empreendimento, o custo de construção foi apenas 5% mais alto do que empreendimentos tradicionais do mesmo porte.

Prédios bem projetados poupam até 30% de energia, 50% de água e reduzem a emissão de carbono


A tendência é que esse processo ganhe força. “O custo deve cair no médio prazo. De qualquer modo, se considerada a vida útil do imóvel, essa diferença já é quase nula, porque acaba se pagando em redução de custos por parte do usuário”, comenta Paola. De acordo com a  Green Building Council (GBC) Brasil, uma edificação bem projetada pode poupar até 30% de energia, 50% de água, reduzir em 60% a produção de resíduos sólidos e 40% da emissão de dióxido de carbono. Obviamente, nem todas as construções certificadas com selos verdes alcançam esses patamares, mas os números já servem de parâmetro de quão brutal é a diferença.

Desde o projeto

O ponto de partida de qualquer edificação que se pretende sustentável é um projeto adequado. Assim, é possível aproveitar ao máximo cada recurso e evitar desperdício. E o responsável por esse projeto – ou pela contratação dele – deve atentar para cinco pontos básicos: localização e entorno, materiais com baixo impacto ambiental, consumo de água, consumo de energia e qualidade do ambiente interno.


Os cuidados precisam começar na escolha do terreno para a construção. O local deve considerar o acesso e distância de fornecedores ou clientes e o impacto no entorno. Foi o que ocorreu com a loja verde da rede de supermercados Pão de Açúcar em Indaiatuba (SP). A topografia do terreno exigiu baixa intervenção em terraplanagem e preservação de parte da mata nativa. Além disso, está próxima a produtores de horti-fruti, o que minimiza o transporte para abastecimento do local.


Águas vão rolar


Tamanha preocupação com o reaproveitamento das chuvas e o conforto térmico se justifica. Quando o edifício está em uso, reduzir o consumo de água e energia elétrica é o principal desafio de um projeto de sustentabilidade. A boa notícia é que a economia pode ser tão grande que, em um empreendimento comercial, compensaria o gasto em materiais e equipamentos em pouco tempo.


As intervenções podem ser realizadas em diversas frentes. Em relação ao consumo de água, a atitude mais óbvia (e não menos eficiente) é o uso de louças e metais sanitários economizadores. Por exemplo, descargas com acionamento específico para dejetos líquidos, chuveiros com aeradores e torneiras com limite de vazão. Esses equipamentos podem, inclusive, ser instalados em edifícios antigos que não deixam de ter resultados.


No caso de projetos de empreendimentos novos, é possível ser mais ousado. Há casos de uso de mini-sistemas de tratamento para reutilização da água que escoa em pias e ralos em atividades menos nobres. Na agência-modelo do Banco Real, por exemplo, essa medida foi adotada experimentalmente e teve economia de 15% em relação às demais.


Apesar do bom resultado na redução do consumo de água, o edifício teve mais sucesso ainda no uso de energia. “Aproveitar aquilo que a natureza nos oferece sem cobrar nada é fundamental em qualquer projeto sustentável”, comenta Roberto Oranje, do Banco Real. Assim, o uso de luz e ventilação natural é um princípio primordial para esse tipo de arquitetura.


Por isso, o arquiteto optou pela utilização de um sistema de ventilação evaporativa (ventiladores com gotejamento de água) permitindo que o ar condicionado não seja ligado em nove meses do ano, além de obter melhoria na qualidade do ar, purificado pela água. Esse tipo de iniciativa, combinada com o uso de placas fotovoltaicas, permite uma economia de energia de 30%.

Quando o edifício está em uso, reduzir o consumo de água e energia é o principal desafio

Alta tecnologia


Quando a natureza não resolve todos os problemas de um projeto sustentável, a tecnologia pode dar uma mão. Foi o princípio adotado no Ventura Corporate Towers, complexo empresarial de alto padrão construído no Rio de Janeiro.


A torre recebeu cobertura externa transparente para aproveitar ao máximo a luz natural (e economizar com iluminação artificial). Para que tantos raios solares não transformassem o interior do edifício em estufa, foi utilizado vidro de alto desempenho, que evita a passagem de calor. Segundo Luis Henrique Ceotto, diretor de projetos da Tishman Speyer, esse material foi 100% mais caro que o convencional. No entanto, o peso dele no custo total da obra (R$ 460 milhões) continuou mínimo: apenas 0,5%.


Para melhorar o aproveitamento dos raios solares, o empreendimento conta com um medidor de luminosidade em cada setor, e acende e apaga lâmpadas de acordo com a variação da luz natural. Além disso, foram instalados elevadores inteligentes, que não sobem e descem de maneira desordenada (e muitas vezes redundante). 


Soluções para uma construção

– Aquecimento de água
Equipamentos para aquecer água com energia solar são facilmente encontrados. Têm impacto maior em edifícios mais baixos

– Iluminação natural
A luz natural, além de ser mais confortável para as pessoas, reduz a necessidade de lâmpadas durante o dia. É preciso apenas evitar que ela não leve muito calor ao ambiente para a economia com iluminação não se transformar em gasto com ar condicionado

– Ventilação natural
Um bom modo de economizar com ar condicionado e, ainda por cima, manter a qualidade do ar dentro do edifício

– Plantas
Utilizar vegetação dentro do edifício impede que se formem ilhas de calor de modo barato e eficiente

– Revestimentos externos
Materiais e cores nas áreas externas devem ter alto índice de reflexão, para não acumular calor. Uma medida que já foi experimentada por alguns projetos foi o uso de vegetação na cobertura

– Elevadores
Sistemas inteligentes evitam que duas cabines subam e desçam ao mesmo tempo, gastando energia desnecessária

– Água
Há versões de torneiras, chuveiros e vasos sanitários que reduzem o consumo de água

– Reaproveitamento de água
Não é preciso usar água potável tratada para regar jardins, limpar o chão ou na descarga. Para casos como esses, água de chuva ou água tratada na própria edificação pode dar conta

– Durante a obra
Sistemas construtivos com baixo índice de desperdício de material (por exemplo, pré-fabricados ou outros métodos de construção industrializada) reduzem o entulho. O uso de insumos produzidos na região do empreendimento reduz o impacto com o transporte


Entulho também é reciclável

Entulho não apodrece, não cheira mal, não atrai insetos e outros animais. Por isso, muitas vezes não são vistos como um lixo problemático. Engano. Os restos de obras não se degradam, impermeabilizam o solo dos botas-fora e – quando dispostos incorretamente – causam danos ao fluxo de rios ou do sistema de água e esgoto das cidades.


A construção brasileira já evoluiu bastante nesse quesito. Até os canteiros brasileiros adotarem sistemas construtivos industrializados, processo que se intensificou na segunda metade da década de 1990, trabalhava-se com um nível médio de desperdício na casa de um terço. Assim, evitar o gasto excessivo de material e reciclar sempre que possível podem trazer resultados significativos.


Para um bom aproveitamento das sobras, é preciso que a equipe do canteiro separe o entulho por tipo de material. Assim, madeira e aço podem ser encaminhados para empresas que os processam, o concreto pode ser transformado em agregados (pedras) para concreto não-estrutural.
Na agência-modelo do Banco Real (foto acima), em Cotia (SP) , 77% do lixo produzido na obra foi reaproveitado. Com isso, o canteiro deixou de mandar 20 toneladas de entulho para botas-fora.

Anúncios

Uma resposta para “Prédios inteligentes e econômicos

  1. Muito interessante a matéria. Nosso grupo está em plena expansão e lançando novos empreendimentos pelo Brasil, sobretudo São Paulo-SP, Serra-ES, Cariacica-ES e São Luiz-MA, além de prédios comerciais em todas as unidades. Gostaria de receber mais notícias sobre o assunto Green Buldings.

Deixe o seu comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s